Semana Santa

A Semana Santa é, para nós católicos, a mais importante de todo o ano litúrgico, oportunidade em que celebramos, de modo especial, os mistérios da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo.
23/03/2021 17:03
5 minutos de leitura
Semana Santa


A Semana Santa é, para nós católicos, a mais importante de todo o ano litúrgico, oportunidade em que celebramos, de modo especial, os mistérios da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo.

Durante sete dias, a Igreja convida os fiéis a intensificar as mortificações e penitências já praticadas durante a quaresma - sem descuidar da oração e da caridade fraterna -, a fim de nos unirmos verdadeiramente a Cristo em suas dores expiatórias e morte de Cruz.

O Domingo de Ramo abre, por excelência, a Semana Santa, pois celebra a entrada triunfal de Jesus Cristo, em Jerusalém, após ter passado 40 dias jejuando no deserto. Jesus adentra à cidade sagrada montado em um jumento (símbolo da humildade), sendo aclamado como o Messias pelo povo que, com folhas de palmeiras nas mãos, cantavam hinos de louvor, dando origem ao nome da celebração.

Contudo, a popularidade de Jesus despertou muita inveja nos sacerdotes e mestres da Lei da época, que temiam perder o poder. Começa, então, uma trama para condená-Lo à morte, cujos acontecimentos são recordados em cada dia da semana. 

O ponto alto da Semana Santa dá-se com o Tríduo Pascal, que se inicia com a Missa vespertina da Quinta-feira Santa e se conclui com a Vigília Pascal, no Sábado Santo. Os três dias formam uma só celebração, que resume todo o mistério pascal. 

Na Quinta-feira Santa, celebra-se a instituição da Eucaristia e do Sacerdócio ministerial. Nessa celebração, realiza-se a cerimônia do lava-pés, onde recordamos o gesto de Cristo que lavou os pés dos seus apóstolos. Esse gesto procura transmitir a mensagem de que o cristão deve ser humilde e servidor, assim foi como Jesus.

Na Sexta-feira Santa, recorda-se o dia em que Cristo entregou-Se como vítima pela humanidade. Nesse dia, a Igreja determina o jejum e a abstinência de carne, como também o silêncio, numa atitude de oração e contemplação. 

O Sábado Santo encerra o Tríduo Pascal, como um dia de “luto” e oração. A Igreja permanece junto ao sepulcro, meditando no mistério da morte do Senhor e na expectativa de Sua ressurreição. À noite, celebra-se a solene Vigília Pascal, cerimônia repleta de simbolismos que nos recordam a ação de Deus, a luz e a vida nova que brotam da ressurreição de Cristo.

Por fim, no Domingo de Páscoa contemplamos com muita alegria, a ressurreição de Jesus, e Sua vitória sobre o pecado e a morte, marcando o início de um novo ciclo conhecido por “Tempo Pascal”, que se estende por cinquenta dias até a chamada Festa de Pentecostes (descida do Espírito Santo sobre os apóstolos e Maria no Cenáculo). Esses dias são vividos com a mesma intensidade e júbilo como se fossem um só e mesmo dia, o Dia da Ressurreição.

Que pela graça de Deus, possamos celebrar a Semana Santa que se aproxima, meditando fervorosamente os mistérios da redenção de Jesus e com alegria proclamar a vitória em Cristo Ressuscitado.


Por Mariana Zeni 

Pascom Paróquia Nossa Senhora de Fátima - Guaraniaçu

Fonte: Arquidiocese
Tags:

Notícias Relacionadas

Espaço MAGIS Manresa
Arquidiocese

Espaço MAGIS Manresa

16/04/2021
2 minutos de leitura
PRIMEIRA MISSA CAMPAL NO FLORAIS
Arquidiocese

PRIMEIRA MISSA CAMPAL NO FLORAIS

13/04/2021
2 minutos de leitura