95% dos médicos da Irlanda se negam a praticar abortos

11 de janeiro de 2019 às 12:07
95% dos médicos da Irlanda se negam a praticar abortos


Desde 1º de janeiro deste ano, as irlandesas podem abortar livremente até a 12ª semana de gestação, independentemente de justificativa, com base na lei pró-aborto aprovada no ano passado a partir da derogação da Oitava Emenda constitucional, que garantia o respeito à vida humana desde a concepção.

O jornal irlandês Southern Star noticia, no entanto, que menos de 5% dos médicos do país se dispôs até agora a praticar abortos: 95% deles são contrários à nova lei não apenas por convicções científicas e éticassobre o estatuto do nascituro como ser humano de pleno direito, mas também porque os hospitais sequer tiveram tempo de se adequar à nova legislação por causa da extraordinária pressa com que ela foi promulgada.

No tocante à tão alardeada “segurança para as gestantes”, argumento tergiversado à exaustão pelos ideólogos do aborto livre, os médicos irlandeses denunciam, por exemplo, a falta de máquinas de ultrassom, de diretrizes clínicas e de pessoal treinado para executar (literalmente) o assim chamado “procedimento”.

Outra questão relevante é a da objeção de consciência: embora ela seja considerada na lei como um direito dos médicos, não há garantias trabalhistas que protejam objetivamente os profissionais que se negarem a praticar abortos com base nesse direito.

Existem também severas críticas ao fato de que a nova lei autoriza meninas de 15 anos ou até menos a abortarem não apenas sem necessidade de consentimento dos pais, mas sem sequer o conhecimento deles.

Além disso, a legislação abortista obriga os contribuintes irlandeses a financiarem os abortos, que são oferecidos pelo sistema público de saúde, e força os hospitais a praticá-lo, inclusive os católicos.

Ativistas pró-aborto preferiram atribuir a baixa adesão dos médicos ao que chamaram de “medo de represálias” por parte dos movimentos pró-vida.