Igreja celebra hoje São João Damasceno, defensor da veneração de imagens

04 de dezembro de 2018 às 10:54
Igreja celebra hoje São João Damasceno, defensor da veneração de imagens


Neste dia 4 de dezembro, a Igreja celebra a festa de São João Damasceno, Doutor da Igreja e defensor da veneração de imagens e relíquias dos santos. “Dado que agora Deus foi visto na carne e viveu entre os homens, eu represento o que é visível em Deus”.

São João nasceu em Damasco, capital da Síria, de onde provém seu gentilício Damasceno. Viveu entre os séculos VII e VIII e cresceu em uma família cristã rica. Insatisfeito com a vida da corte, ingressou no mosteiro de São Saba, perto de Jerusalém.

Foi ordenado sacerdote e, sem se afastar do mosteiro, dedicou-se à ascese, à atividade literária e pastoral.

Naquela época, o imperador de Constantinopla, Leão o Isáurio, proibiu o culta às imagens, seguindo os iconoclastas que acusavam os católicos de adorar imagens. Iconoclasta é uma heresia que afirma que é superstição o uso de uma imagem religiosa e pede que seja destruída. Por isso, os iconoclastas destruíam as imagens e perseguiam quem as venerava.

São João Damasceno defendeu esta veneração em seus três “Discursos contra quem calunia as imagens sagradas”. O santo escreveu: “Eu não venero a matéria, mas o Criador da matéria, que Se fez matéria por mim e dignou-Se a habitar na matéria e através da matéria realizar minha Salvação”.

“Não é matéria o lenho da Cruz três vezes bendita?... E a tinta e o santíssimo livro dos Evangelhos, não são matéria? O salvífico altar que nos dispensa o Pão da Vida não é matéria?... E antes que nada, não são matéria a Carne e o Sangue de Meu Senhor?”, acrescentou.

Sobre as relíquias dos santos, São João Damasceno sustentou que “antes de tudo (veneramos) aqueles entre quem Deus descansou, Ele, Único Santo que mora entre os santos, como a Santa Mãe de Deus e todos os Santos”.

“Estes são aqueles que, enquanto possível, tornaram-se semelhantes a Deus com Sua vontade e pela inabitação e a ajuda de Deus; são chamados realmente de deuses, não por natureza, mas por contingência, assim como o ferro incandescente é chamado de fogo, não por natureza, mas por contingência e por participação do fogo. Diz, de fato: ‘Sereis santos porque Eu sou santo’”, recordou.

São João Damasceno morreu em meados do século VIII. O Segundo Concílio de Niceia (787) respaldou o que o santo tanto defendeu, pois assinalou que as imagens podem ser expostas e veneradas legitimamente porque o respeito que lhes é demonstrado é dirigido à pessoa que representam. O Papa Leão XIII o proclamou Doutor da Igreja Universal em 1890.