Estes foram os Papas que peregrinaram à Terra Santa no último meio século

10 de janeiro de 2018 às 19:52
Estes foram os Papas que peregrinaram à Terra Santa no último meio século


 No último meio século, quatro Papas viajaram à terra Santa e essas visitas apostólicas ficaram marcadas pelo chamado à paz, ao diálogo inter-religioso e pelos gestos espontâneos.

1. Beato Paulo VI

O Beato Paulo VI foi o primeiro Papa a visitar a Terra Santa desde São Pedro. Além disso, esta foi a primeira visita apostólica que realizou a um país estrangeiro, a qual durou de 4 a 6 de janeiro de 1964.

Paulo VI também foi o primeiro Pontífice a utilizar um avião em suas viagens. O hoje beato se reuniu no dia 4 de janeiro de 1964 com o rei da Jordânia, Hussein I. Em seguida, partiu para Jerusalém (Israel), onde rezou no Santo Sepulcro, e depois se dirigiu para Nazaré, para visitar a Basílica da Anunciação.

No dia seguinte, teve o encontro histórico com o Patriarca ortodoxo Atenágoras I, no qual ambos celebraram o levantamento das mútuas excomunhões impostas após o Grande Cisma entre oriente e ocidente em 1054.

Em 6 de janeiro, na Solenidade da Epifania, Paulo VI peregrinou à Santa Gruta de Belém e entregou uma rosa de ouro à Basílica da Natividade.

2. São João Paulo II

O chamado “Papa peregrino” viajou à Terra Santa de 20 a 26 de março de 2000, coincidindo com a celebração do Jubileu “Cristo: Ontem, hoje e sempre”. Naquela época, tinha 80 anos.

A primeira parada foi na Jordânia, onde teve um encontro com o rei Abdalá II, celebrou uma Missa no Estádio de Amã e visitou o Mosteiro do Monte Nebo, onde, segundo a tradição, Moisés contemplou a “Terra Prometida”. Além disso, esteve no rio Jordão, onde Jesus foi batizado.

Em 22 de março, chegou a Belém para se reunir com o presidente da Autoridade Palestina, Yasser Arafat, celebrar uma Missa na Praça do Presépio e visitar o campo de refugiados de Deheisha.

No dia seguinte, celebrou uma Missa privada no Cenáculo de Jerusalém, local onde Cristo celebrou a Última Ceia, e visitou o Memorial de Yad Vashem, dedicado às vítimas do holocausto.

No dia 24, presidiu uma Eucaristia para os jovens no Monte das Bem-aventuranças, onde lhes disse que “cabe a vós ir pelo mundo fora para anunciar a mensagem dos Dez Mandamentos e das Bem-aventuranças”.

Em 25 de março, visitou a Basílica da Anunciação, em Nazaré, e participou de um encontro ecumênico. No dia seguinte, foi ao Muro das Lamentações, onde deixou uma oração escrita na qual lamentou pelas atrocidades cometidas contra os judeus ao longo da história. Finalmente, celebrou a Missa na Igreja do Santo Sepulcro.

3. Bento XVI

Bento XVI peregrinou à terra Santa entre os dias 8 e 15 de maio de 2009. Visitou Jordânia, Israel e Palestina, onde se reuniu com os chefes de Estado, o rei Abdalá II, o presidente Shimon Peres e o presidente Mahmud Abbas.

Permaneceu até o dia 11 de maio na Jordânia, onde abençoou a pedra fundamental da Universidade de Madaba do Patriarcado de Jerusalém, celebrou uma Missa multitudinária no Estádio Internacional de Amã e reuniu-se com os líderes muçulmanos na mesquita Al-Hussien Bin-Talal de Amã.

Em Jerusalém, visitou o Memorial de Yad Vashem, a Cúpula da Rocha na esplanada das mesquitas, o Muro Ocidental e celebrou a Missa no Vale de Josafá.

No dia 13, Bento XVI se dirigiu para Belém, onde celebrou uma Missa e visitou um campo de refugiados. No dia seguinte, esteve em Nazaré. Em 15 de maio, teve um encontro ecumênico na sede do Patriarcado greco-ortodoxo de Jerusalém.

Entre os lugares santos que visitou estão a antiga Basílica do Memorial de Moisés, no Monte Nebo; o lugar do Batismo de Jesus no rio Jordão, o Cenáculo de Jerusalém; a Gruta da Anunciação, em Nazaré; e o Santo Sepulcro, em Jerusalém.

4. Francisco

O atual Pontífice viajou à Terra Santa entre os dias 24 e 26 de maio de 2014 para comemorar os 50 anos do encontro entre o Beato Paulo VI e o Patriarca Atenágoras.

Como seu predecessor, na Jordânia, Palestina e Israel, reuniu-se com as autoridades políticas e religiosas.

Visitou alguns ligares santos, como o local do Batismo de Jesus em Betânia diante do rio Jordão, a Gruta da Natividade em Belém, o Santo Sepulcro em Jerusalém, a Igreja de Getsêmani perto do Horto das Oliveiras e o Cenáculo, onde Cristo celebrou a Última Ceia.

Um dos gestos mais marcantes dessa visita apostólica aconteceu no dia 25 de maio, quando se parou para rezar por alguns minutos diante do muro que divide Israel e Palestina.

No dia seguinte, protagonizou o recordado “abraço das três religiões” junto com seus amigos argentinos, o rabino Abraham Skorka e o muçulmano Ombar Abboud, em frente ao Muro das Lamentações. Nesse lugar, o Santo Padre depositou um papel com o Pai Nosso escrito em espanhol.

Em 26 de maio, também se encontrou com dois sobreviventes do holocausto que foram salvos por católicos. Além disso, realizou o sonho de uma jovem argentina cega de 19 anos, chamada Laura del Milagro Aredez, que desejava receber uma bênção do Papa.