Hoje é celebrado São Pascoal Bailão, o santo apaixonado pela Eucaristia

17 de maio de 2017 às 12:58
Hoje é celebrado São Pascoal Bailão, o santo apaixonado pela Eucaristia


São Pascoal Bailão foi um frade franciscano que amou tanto e dedicou tantas horas de sua vida ao Santíssimo Sacramento, que foi declarado padroeiro dos Congressos Eucarísticos e Associações Eucarísticas por Leão XIII em 28 de novembro de 1897.

Embora este santo soubesse apenas ler e escrever, era capaz de expressar-se com grande eloquência sobre a presença de Jesus na Eucaristia. Tinha o dom da ciência infundida, ou seja, possuía um vasto conhecimento teológico sem nenhum estudo, o que surpreendeu seus mestres que costumavam fazer-lhe perguntas complexas.

Pascoal Bailão nasceu em Torre Hermosa, no reino de Aragão (Espanha), em 24 de maio de 1540. O dia de seu nascimento coincidiu com a festa de Pentecostes, chamada na Espanha “a Páscoa do Espírito Santo”, e por isso recebeu o nome de Pascoal.

Seus pais eram camponeses e ele também se dedicou a este ofício dos 7 aos 24 anos, quando ingressou no convento dos frades menores (franciscanos) de Albatera.

Por causa de sua pouca instrução, os franciscanos lhe deram ofícios humildes. Foi porteiro, cozinheiro, mensageiro e auxiliar de serviços gerais.

Dedicava seu tempo livre à Adoração Eucarística, de joelhos com os braços em cruz. Durante as noites, passava horas diante do Santíssimo Sacramento. Continuava sua adoração até tarde da noite e, de madrugada, chegava à capela antes que os demais.

Tempos depois, foi enviado a Paris para entregar sua carta ao superior geral da ordem e, no trajeto, “professou abertamente a verdade da Eucaristia entre os hereges e, por isso, teve que passar por graves provações” (Breve apostólico Providentissimus do Papa Leão XIII). Entre as provações, uma tentativa de assassinato.

Pascoal faleceu na Espanha em 15 de maio de 1592, durante o Domingo de Pentecostes, e sabe-se que realizou muitos milagres após sua morte.

Foi beatificado em 29 de outubro de 1618 pelo Papa Paulo V e canonizado em 16 de outubro de 1690 pelo Papa Alexandre VIII. Seu culto cresceu, sobretudo, em sua terra natal e no sul da Itália, também difundiu-se amplamente na Espanha e na América do Sul.