Estamos noTempo de Páscoa

Plano de Ação Evangelizadora 2012 - 2016

Plano de Ação Evangelizadora 2012-2016

OBJETIVO GERAL

“Evangelizar a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária e profética, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (cf. Jo. 10,10), rumo ao Reino definitivo”.

1 - Assim como o Regional Sul II, a Arquidiocese de Cascavel, para concretizar o Objetivo Geral da CNBB, optou pelo mesmo objetivo e, em espírito de comunhão com a Igreja do Paraná, portanto a Igreja Particular de Cascavel assume no período de 2012 a 2016 o objetivo definido pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), que é: “Evangelizar a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária e profética, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (cf. Jo. 10,10), rumo ao Reino definitivo”.

2 - Toda ação eclesial brota de Jesus Cristo e se volta para Ele e o Reino do Pai. Jesus Cristo é nossa razão de ser, origem de nosso agir, motivo de nosso pensar e sentir. Nele, com Ele e a partir D’Ele mergulhamos no mistério trinitário, construindo nossa vida pessoal e comunitária. Não há como executar planejamentos pastorais sem antes pararmos e nos colocarmos diante de Jesus. Portanto toda a ação pastoral deve partir de Jesus Cristo.

3 - É o Espírito Santo que nos impulsiona a sermos Igreja discípula, missionária e profética. A Eucaristia e a palavra alimentam nossa vida pastoral que deve ter como evangélica opção aqueles que são os mais pobres, levando a todos a Vida e a vontade de lutar pela vida, desde o seu nascimento até o seu ocaso, construindo assim o Reino de Deus em nossa Arquidiocese.

4 - As atitudes de alteridade e gratuidade marcam a vida do discípulo de todos os tempos. Alteridade se refere ao outro ao próximo, aquele que em Jesus Cristo, é meu irmão ou minha irmã, mesmo estando do outro lado do planeta. É o reconhecimento que o outro é diferente de mim, diferença que nos distingue, mas não nos afasta.

Prioridade Arquidiocesana “Renovação Paroquial: Por uma paróquia discípula, missionária e profética”

5 - Para estar em sintonia com o Regional Sul II, a Arquidiocese de Cascavel, optou como prioridade para os anos 2012, a mesma do Paraná, que é “Renovação Paroquial: por uma paróquia discípula, missionária e profética”.

6 - Sendo que esta prioridade “Renovação Paroquial: por uma paróquia discípula, missionária e profética”, é antes de tudo uma Prioridade Regional, no processo de renovação paroquial, tendo em vista a ação missionária, somos conclamados a criar uma rede de comunidades, em todo o Paraná, que seja casa e escola de comunhão, anunciadora da boa nova e promotora da justiça e da solidariedade.

Perspectivas de Ação

7- “Quando a realidade se transforma, devem igualmente se transformar os caminhos pelos quais passa a ação evangelizadora”. Essa é a razão pela qual a Conferência de Aparecida nos convoca a ultrapassar uma pastoral de mera conservação ou manutenção, para assumir uma pastoral decididamente missionária, numa atitude que, corajosa e profeticamente, chamou de conversão pastoral” (DAp, 370; DGAE, 25 e 26).

8- Para que a Paróquia se torne missionária é preciso: renovar as estruturas paroquiais; tornar a paróquia viva e dinâmica; tornar uma paróquia acolhedora (pastoral da acolhida que não se resume em entregar folhetos, na portada Igreja, ao inicio da missa); Sair da sacristia, do salão paroquial e do templo, para ir ao encontro dos mais afastados; setorizar a paróquia com organização em unidades territoriais menores; criar comunidades; fazer as visitas missionárias (pastoral da acolhida).

9- Que as paróquias sejam: espaço da iniciação cristã, da educação e celebração da Festa; lugar de animação bíblica da vida e da pastoral, onde todos possam ter acesso à Palavra de Deus, nas reuniões, encontros, grupos de reflexão, de oração e cursos; abertas à diversidade de carismas, serviços e ministérios; integradoras de pastorais e movimentos; aberta aos projetos pastorais e supra-paroquiais e às realidades em torno da comunidade; deve tornar-se um lugar de serviço da vida plena para todos, abrindo seu coração para todas as formas de vida ameaçada desde o seu início até a morte natural.

10- A renovação da Paróquia exige: a reformulação de suas estruturas; que seja uma rede de comunidades; que tenham grupos capazes de articularem, de forma que os participantes se sintam realmente discípulos missionários de Jesus Cristo.

11- A Paróquia é chamada a ser: espaço onde a escuta da Palavra seja fonte do discipulado missionário; a ter criatividade para atingir as multidões; a ter novas estruturas pastorais; a ter formação de leigos missionários; acolhedora, dinâmica e unida; a ser missionária.

12- As Paróquias são células vivas da Igreja. Devem incentivar e promover a formação; ter espaço privilegiado na celebração, especialmente a Eucaristia dominical; devem ser acolhedoras para atraírem as pessoas a Jesus Cristo.

Devem ser abertas a todos os movimentos de espiritualidade.